Como se organizar para trabalhar como freelancer

Trabalhar em um local flexível, ter controle do seu próprio horário e ter como chefe o seu cliente são alguns motivos que levam o profissional a optar pelo trabalho freelancer.

Normalmente, o freelancer decide produzir as atividades na sua própria casa. Além de ser um ambiente conhecido, permite não ter o custo extra com a locação de um escritório. No entanto, esse ambiente familiar pode causar alguns problemas como a baixa produtividade.

O segredo para conquistar um bom resultado está em conseguir manter a organização no ambiente de trabalho. Para isso, você precisa ter os objetivos pautados para saber aonde deseja chegar. Outro ponto é estabelecer um expediente. Isso não quer dizer que precisa seguir rigorosamente o horário comercial das empresas, afinal você pode render melhor em horários mais flexíveis. O ideal é adequar o seu ritmo ao perfil do cliente que presta serviço.

Monte ou organize um espaço profissional no lugar mais tranquilo da casa. Pode ser um escritório ou até mesmo uma mesa na sala ou no quarto. Não mostre para as pessoas que está sempre disponível para atendê-las. Imponha limites, e se for necessário, informe que apesar de estar em casa, está em horário de trabalho.

Defina indicadores e metas realistas e acompanhe-os diariamente para se certificar de que estão sendo cumpridos e que você está produzindo adequadamente.

Anúncios

Dia Global na Comunidade beneficia 10 mil brasileiros

Todo ano, o Dia Global na Comunidade muda a rotina da equipe Citi: no lugar de planilhas, reuniões, telefonemas e e-mails, os funcionários assumem novas responsabilidades. Transformam-se em voluntários.

Em 2011, não foi diferente. A sexta edição do evento, realizado mundialmente no último trimestre do ano, mobilizou colaboradores em ações promovidas em mais de 100 países onde a Organização está presente.

No Brasil, cerca de 10 mil pessoas foram beneficiadas por iniciativas do Dia Global em 14 cidades brasileiras: São Paulo (SP), Recife (PE), Goiânia (GO), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Ribeirão Preto (SP), Fortaleza (CE), Campinas (SP), Curitiba (PR), Joinville (SC), Londrina (PR) e Florianópolis (SC).

Funcionários, estagiários, prestadores de serviços, amigos e familiares realizaram atividades como reformas em escolas e instituições, doação de sangue, serviços de jardinagem, limpeza nas praias e praças, atividades de conscientização ambiental, ações recreativas e educacionais com crianças e até o preparo de pizzas para venda em comunidades.

Confira no vídeo um pouco do Dia Global na Comunidade 2011 no Brasil:

União e solidariedade movem a CitiEsperança

A Associação CitiEsperança surgiu há 14 anos, por iniciativa de um grupo de funcionários do Citibank, no Rio de Janeiro (RJ), que se organizou com o objetivo de ajudar as comunidades carentes em torno da Organização. A prática se expandiu e a CitiEsperança se tornou uma entidade sem fins lucrativos gerida por funcionários e ex-funcionários do Citi, que anualmente realiza campanhas solidárias nos períodos da Páscoa, Inverno, Dia das Crianças e Natal.

Em 2011, a CitiEsperança promoveu ações que contribuíram para o desenvolvimento de várias comunidades em todo o Brasil. Dentre elas, a Caminhada e Corrida contra o Câncer Infantil, realizada pelo Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC), e o Projeto Operação Sorriso, que ajudou a viabilizar a realização de cirurgias de lábio leporino gratuitamente para mais de 120 crianças e jovens.

No Dia das Crianças foi realizada uma campanha de doação de brinquedos. Os  funcionários contribuíram com qualquer valor e o Citi doou a mesma quantia, dobrando a arrecadação. Mais de 3 mil brinquedos foram distribuídos para crianças de 19 entidades das cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP) e Porto Alegre (RS).

Com o apoio de funcionários do Citi e voluntários, a Associação CitiEsperança contribui para tornar um pouco melhor a vida das pessoas que vivem nas comunidades em que o Citi está presente, fortalecendo a cidadania por meio da união de todos.

Citi inova no Programa Jovem Aprendiz

O Citi acaba de lançar a Trilha do Aprendiz, uma iniciativa que visa capacitar ainda mais os participantes do programa Jovem Aprendiz na organização. A trilha a ser seguida pelos jovens inclui a oportunidade do primeiro emprego, orientação por meio da cartilha Jovem Aprendiz no Citi, acompanhamento no dia a dia do trabalho e participação em grupos de discussão com integrantes de vários locais do Brasil.

Em breve farão parte do programa o apoio educacional aos jovens de destaque, oportunidades de estágio e acompanhamento da carreira para avaliação do profissional.

A Trilha do Aprendiz tem o objetivo de potencializar ainda mais o programa Jovem Aprendiz, implantado no Citi desde 2005 para capacitar estudantes entre 16 e 24 anos. Os jovens são contratados por dois anos e, durante esse período, realizam capacitação teórica e prática. Já participaram do programa do Citi mais de 150 jovens, sendo que 115 deles trabalham hoje na Organização.

Uma ajuda para a adaptação de estrangeiros

Por ser uma organização presente em mais de 120 países, o Citi sabe como poucos quanto é difícil se adaptar a um novo ambiente, de cultura diferente da nossa. Essa é a experiência vivida pelos chamados expatriados, pessoas que saem de sua terra natal para trabalhar em outros países.

Para ajudar aos que chegam ao Brasil a organizar sua vida financeira no país, acabamos de lançar o guia Welcome na internet. Disponível nos idiomas português, inglês e, em breve, em coreano, o guia mostra como abrir uma conta corrente, os canais de acesso do Citi e como funcionam e os produtos e serviços mais utilizados.

Tudo explicado com detalhes que, para os brasileiros, já estão no modo automático e passam despercebidos: como preencher um cheque, que tipos de transferência eletrônica existem no país, como cadastrar um débito automático. Mesmo para quem ainda não é cliente do Citi, o guia traz informações importantes, que podem facilitar a adaptação de estrangeiros ao nosso país – pelo menos no que diz respeito à sua vida financeira.