Copom baixa novamente a Selic, conforme nossa projeção

Sem grandes surpresas, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu cortar nesta quarta-feira em 0,5 ponto porcentual (p.p.) a taxa básica de juros da economia brasileira. Com a decisão, a Selic passa de 8% para 7,5% ao ano e atingiu novo patamar mínimo histórico. O corte da taxa de juros foi o nono consecutivo e confirmou as expectativas.

No comunicado divulgado após a decisão, o Copom excluiu a expressão: “dando prosseguimento ao ciclo de ajuste das condições monetárias” e incluiu uma frase dizendo que qualquer corte adicional será conduzido com a máxima parcimônia. Com isso, acreditamos que o Comitê deixa dois caminhos abertos para a reunião de 10 de outubro: ou corta a Selic em 25 pontos ou interrompe o ciclo de queda. Por isso, mantemos o nossa projeção que o Copom ainda implementará uma última redução da Selic em 25 pontos na próxima reunião.

Pontos-chave

No comunicado divulgado, o Comitê menciona que “considerando os efeitos cumulativos e defasados ​​das ações de política implementadas até o momento (…) se o cenário prospectivo vier a comportar um ajuste adicional nas condições monetárias, esse movimento deverá ser conduzido sob máxima parcimônia.”

Na referida declaração, o Copom reconhece também que a atividade econômica já está se recuperando. Dada esta perspectiva e a expressão “máxima parcimônia”, acreditamos que a probabilidade de execução de outro corte de 50 pontos percentuais em outubro reduziu-se significativamente.

A ata do Copom, a ser divulgada em 6 de setembro, provavelmente esclarecerá as mudanças no balanço de riscos do Copom. Como acreditamos que os sinais robustos de recuperação econômica continuarão escassos até a próxima reunião, mantemos nossa expectativa de corte adicional na Selic em 25 pontos para 10 de outubro.

Anúncios

Tendência é de expansão do PIB em 2012

As vendas no varejo cresceram 0,3% em dezembro, sugerindo que o IBC-BR deve aumentar 0,6% em dezembro em relação a novembro. O resultado foi influenciado negativamente pelo desempenho das vendas de alimentos/bebidas/supermercados, que tiveram contração de 1,5%, embora esta tenha sido mais do que compensada pelo crescimento robusto nas vendas de eletrodomésticos (2,6% em dezembro), que provavelmente refletiram isenções fiscais aplicadas pelo governo.

Com esse resultado, o índice de atividade mensal do Banco Central (IBC-BR) deve aumentar 0,6% em dezembro, o que implica uma estimativa de crescimento do PIB de 0,2% para o 4º trimestre de 2011. Nossa projeção é que o PIB expanda 0,3% no 4º tri de 2011, resultado superior à estagnação verificada no 3º trimestre, mas bem abaixo do crescimento potencial do PIB brasileiro. Sob tal estimativa, nossa projeção é de que o PIB de 2011 tenha crescimento de 2,8%, ligeiramente abaixo da nossa estimativa anterior (2,9%).

Já para 1º trimestre de 2012, nossa estimativa para o crescimento do PIB é de 0,9%, confirmando a perspectiva de aceleração sistemática do crescimento da economia ao longo dos próximos trimestres. Tal tendência já havia sido sinalizada desde novembro, considerando-se as mudanças nos principais condicionantes da atividade econômica: maior flexibilidade monetária, com queda na taxa Selic desde agosto de 2011; relaxamento das medidas macro prudenciais; e incentivos fiscais, como a redução do IPI para os eletrodomésticos.

Para o ano de 2012, nossa previsão é de 3,3% de crescimento do PIB. Com a redução da taxa Selic desde o final de agosto, a taxa real de juros caiu para 4,2%, provavelmente abaixo do seu equilíbrio, o que pode ser visto como uma política expansionista. Além disso, as políticas fiscais e de crédito mais flexíveis adotadas pelo governo reforçam o padrão de aceleração do crescimento. Nossa estimativa é de que o PIB alcance 1,2% de crescimento no 2º trimestre, e 1,5% no 3º e no 4º trimestres.

James Blunt apresenta turnê de novo disco

Com última passagem pelo Brasil em 2009, o cantor britânico James Blunt retorna ao país com turnê do disco “Some Kind Of Trouble”. Os shows reunem grandes sucessos como “You’re Beautiful”, “Same Mistake” e singles como “I’ll Be Your Man” e “Stay The Night”, que chegou a ser top 10 em vários países.

Em São Paulo, o show aconteceu no Credicard Hall, dia 16 de janeiro; no dia 20 de janeiro, sexta-feira, é a vez do Citibank Hall no Rio de Janeiro. Outras datas e informações você pode obter clicando aqui.

Abaixo você confere um dos grandes sucessos de James Blunt, “Same Mistake”:

Dia Global na Comunidade beneficia 10 mil brasileiros

Todo ano, o Dia Global na Comunidade muda a rotina da equipe Citi: no lugar de planilhas, reuniões, telefonemas e e-mails, os funcionários assumem novas responsabilidades. Transformam-se em voluntários.

Em 2011, não foi diferente. A sexta edição do evento, realizado mundialmente no último trimestre do ano, mobilizou colaboradores em ações promovidas em mais de 100 países onde a Organização está presente.

No Brasil, cerca de 10 mil pessoas foram beneficiadas por iniciativas do Dia Global em 14 cidades brasileiras: São Paulo (SP), Recife (PE), Goiânia (GO), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Ribeirão Preto (SP), Fortaleza (CE), Campinas (SP), Curitiba (PR), Joinville (SC), Londrina (PR) e Florianópolis (SC).

Funcionários, estagiários, prestadores de serviços, amigos e familiares realizaram atividades como reformas em escolas e instituições, doação de sangue, serviços de jardinagem, limpeza nas praias e praças, atividades de conscientização ambiental, ações recreativas e educacionais com crianças e até o preparo de pizzas para venda em comunidades.

Confira no vídeo um pouco do Dia Global na Comunidade 2011 no Brasil:

Ringo Starr apresenta turnê no Brasil

O ex-Beatle, Ringo Starr e sua All Starr Band estão no Brasil para realizar pela primeira vez uma turnê por aqui.

A banda já visitou diversos países como Ucrânia, França, República Checa, Itália e Áustria. Desta vez, para alegria dos fãs, os shows acontecerão em seis cidades brasileiras: Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF) e Recife (PE).

Em São Paulo, os shows estão marcados para hoje e amanhã, no Credicard Hall. No dia 15 de novembro é a vez do Rio de Janeiro, no Citibank Hall.

Os ingressos estão disponíveis para venda no site da  Tickets for Fun e no telefone (11) 4003-5588.

União e solidariedade movem a CitiEsperança

A Associação CitiEsperança surgiu há 14 anos, por iniciativa de um grupo de funcionários do Citibank, no Rio de Janeiro (RJ), que se organizou com o objetivo de ajudar as comunidades carentes em torno da Organização. A prática se expandiu e a CitiEsperança se tornou uma entidade sem fins lucrativos gerida por funcionários e ex-funcionários do Citi, que anualmente realiza campanhas solidárias nos períodos da Páscoa, Inverno, Dia das Crianças e Natal.

Em 2011, a CitiEsperança promoveu ações que contribuíram para o desenvolvimento de várias comunidades em todo o Brasil. Dentre elas, a Caminhada e Corrida contra o Câncer Infantil, realizada pelo Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC), e o Projeto Operação Sorriso, que ajudou a viabilizar a realização de cirurgias de lábio leporino gratuitamente para mais de 120 crianças e jovens.

No Dia das Crianças foi realizada uma campanha de doação de brinquedos. Os  funcionários contribuíram com qualquer valor e o Citi doou a mesma quantia, dobrando a arrecadação. Mais de 3 mil brinquedos foram distribuídos para crianças de 19 entidades das cidades de São Paulo (SP), Campinas (SP), Ribeirão Preto (SP) e Porto Alegre (RS).

Com o apoio de funcionários do Citi e voluntários, a Associação CitiEsperança contribui para tornar um pouco melhor a vida das pessoas que vivem nas comunidades em que o Citi está presente, fortalecendo a cidadania por meio da união de todos.

Crédito mantém crescimento sustentável no Brasil

O crescimento vigoroso do crédito nos últimos anos no nosso país reflete o desenvolvimento de um mercado que, há dez anos, era muito pequeno. Com taxa média de crescimento de 20% ao ano, o crédito no Brasil subiu de 26% (em 2001) para 47% do PIB atualmente mas, comparada a outros países, essa relação ainda é baixa. A elevação das taxas de juros e as medidas macroprudenciais tomadas pelo Banco Central desaceleraram as novas concessões e reforçam ainda mais nossa convicção de que não haverá uma bolha de crédito no Brasil.

A taxa de crescimento do crédito mostra uma desaceleração saudável. No seu pico, em novembro de 2010, essa taxa era de 21% ao ano e, em agosto de 2011, reduziu para 19,4% ao ano. A taxa de inadimplência subiu, devido ao aperto monetário do Banco Central e às medidas macroprudenciais destinadas a reduzir o crescimento do crédito.

Outra indicação do baixo risco de ocorrer uma bolha de crédito é o cenário benigno para o endividamento das famílias e o nível relativamente baixo do comprometimento de renda com dívidas bancárias. De acordo com a nova metodologia do Banco Central, o endividamento das famílias continua a aumentar de forma constante, atingindo 41,3% do rendimento disponível em julho (era de 27,3% em março de 2007).

A flexibilição da política monetária recente e a política fiscal mais frouxa em 2012 são fatores adicionais que reforçam nossa opinião de que o abrandamento do crescimento econômico e, consequentemente, do mercado de crédito, deve ocorrer de forma gradual.

Esperamos um crescimento do PIB de 3,7% em 2011, e de 4,0% em 2012. A menos que a turbulência global prove ter um impacto contracionista significativo sobre o crescimento econômico brasileiro, não vemos fundamentos macroeconômicos que apoiem qualquer visão de colapso do mercado de crédito no Brasil.

Tears For Fears faz shows no Brasil em outubro

No mês de outubro, a dupla Tears For Fears fará seis shows no Brasil, o primeiro deles no dia 4, Porto Alegre. Depois, eles passam por São Paulo (6/10), Rio de Janeiro (8/10), Belo Horizonte (9/10), Brasília (11/10) e, no dia 14, voltam a São Paulo para um show extra.

Após 15 anos distantes dos palcos brasileiros, a dupla, que já tem mais de 30 milhões de discos vendidos, promete trazer um set list recheado de sucessos, que fazem parte de seus seis álbuns. Entre eles, os brasileiros poderão relembrar, ao vivo, os hits Shout, Everybody Wants to Rule the World, Woman in Chains e Advice for the Young at Heart.

Para mais informações sobre a turnê do Tears For Fears, clique aqui.

IPCA da primeira quinzena de setembro surpreende mercado

O IPCA-15 de setembro ficou em 0,53%, acima das expectativas do mercado. As principais pressões sobre a inflação continuam a ser alimentos e vestuário, em parte pela sazonalidade desfavorável. No entanto, o núcleo da inflação também continuou a subir, indicando pressão generalizada nos preços.

Os preços dos alimentos subiram 0,7% (após 0,2% no mês anterior). As principais pressões foram exercidas pelo arroz (1,7%), carne (1,8%), açúcar (3,3%), frutas (3,7%) e leite (1,3%). Esperamos que haja algum alívio até o final do mês, especificamente em relação à carne, já que os preços no atacado vêm caindo nas últimas semanas.

A diferença em relação à nossa previsão é explicada principalmente por um aumento forte inesperado nos transportes (0,7%, quando foi zero no mês anterior), relacionado às tarifas aéreas (23,4%) e combustíveis (0,7%). A alta nos preços dos vestuários, que chegou a 1%, também foi maior que o esperado.

Nos últimos 12 meses, a inflação medida pelo IPCA alcançou 7,3%, significativamente acima do limite superior da meta (6,5%). A média dos núcleos de inflação subiu de 0,42% para 0,47%, representando 5,8% em termos anualizados, enquanto o ponto médio da meta é 4,5%.

Após esse resultado, elevamos a nossa projeção para a inflação em setembro para 0,51%. Também esperamos mais pressões na inflação a curto prazo, provenientes da depreciação da moeda. Portanto, ainda vemos riscos crescentes para o cumprimento da meta de inflação deste ano.

Evento analisa a nova dimensão do Brasil

O Conselho das Américas e a Apex-Brasil realizaram na manhã de hoje o evento O Brasil no Cenário Global, com o objetivo de analisar a nova dimensão global do Brasil e discutir questões que possam sustentar a trajetória ascendente do país, como inovação, empreendedorismo e competitividade.

Gustavo Marin, CEO do Citi Brasil e Cone Sul, participou do painel que discutiu as melhores práticas de inovação nas empresas, políticas públicas e incentivos. Para Marin, quatro grandes vetores influenciarão a inovação em todo o mundo: mudança no perfil do consumidor; mudanças na regulação; segurança; novos meios de pagamento.

“Após a crise de 2008, presenciamos um grande aumento da regulação e uma mudança na postura dos consumidores que poderiam inibir o processo de inovação. Mas, ao contrário, isso tem forçado os bancos a buscarem novas soluções”, disse o CEO. “O Citi tem trabalhado para que a inovação se torne uma cultura. Não podemos nos prender a modelos do passado, mas sim tentar antecipar os próximos passos.”

Também participaram deste painel Mariano de Beer, CEO da Telefonica Brasil; José Carlos Cavalcanti, ex-secretário executivo de Inovação e Tecnologia; e Juan Pablo Zucchini, diretor de gestão da Advent International.

Henrique Meirelles, presidente do Conselho Público Olímpico e ex-presidente do Banco Central do Brasil, também participou do evento. Para ele, o Brasil está bem posicionado para enfrentar a atual crise econômica mundial. “Esses novos desafios são oportunidades para o Brasil mostrar novamente que pode superar os problemas que enfrenta”, comentou.

Para mais informações, confira o site do evento.