Reconhecimento aos microempreendedores ricos em talento e vontade de crescer

Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos divulga os vencedores da edição 2012 e destaca a importância do microcrédito no desenvolvimento de pequenos negócios em comunidades de baixa renda.

O proprietário do Mercadinho do Galêgo, Bráulio Stânio Duarte, de Sumé, interior da Paraíba, é o Empreendedor do Ano, pelo Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos 2012. A trajetória de Duarte comprova que ele tinha talento. O impulso para crescer veio do apoio financeiro do microcrédito. E com o trabalho duro e dedicação, o sucesso foi apenas consequência.

Duarte conseguiu R$ 8 mil emprestados com amigos para abrir o negócio, uma lan house. Lá os clientes encontravam, também, sorvetes e cartões usados nos orelhões. Para expandir seu comércio, o empreendedor conseguiu dois financiamentos da Instituição de Microfinanças Crediamigo. Com o dinheiro, quitou a dívida com os amigos e comprou um freezer de alto padrão, que virou notícia na cidade. O negócio melhorou e foi possível diversificar, informatizar a loja, apostar em sistema de câmera, investir em um estoque. Segundo ele, o papel do Crediamigo foi essencial para quitar dívidas anteriores, tomadas para abrir o lugar, e, principalmente, diversificar o seu comércio, dando o impulso necessário para tocar o mercado.

Duarte acredita que o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos é uma iniciativa que serve de incentivo para os outros microempreendedores. Ele vai usar o dinheiro do prêmio, R$ 12,5 mil, para investir e continuar inovando. “Nossa região fica longe da capital e faltam muitos produtos nesta época do ano. Por isso, em dezembro, vou comprar mercadorias. A partir de janeiro, quero investir em estoque, pois tenho somente uma casa alugada. Comprei um terreno e, agora, pretendo fazer um galpão”, disse.

Além de Duarte, outros microempreendedores foram reconhecidos pela capacidade empreendedora e criatividade. O Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos é dividido em três categorias, com base no faturamento anual do negócio: o microempreendimento com faturamento de até R$ 60.000 teve como ganhador a Personal Trainer, de Luziânia (GO); o empreendimento com faturamento entre R$ 60.001 e R$ 180.000 foi a Lis Bela, de Limoeiro do Norte (CE); já o ganhador com faturamento de R$ 180.001 mil a R$ 360.000 foi a Charis Confecções, de Guanambi (BA).

A novidade deste ano é o reconhecimento da Instituição de Microfinanças (IMF) que demonstrou práticas inovadoras em seu processo de concessão de crédito com impacto positivo para seus clientes e, assim, contribuindo à massificação e expansão do microcrédito e ao desenvolvimento local. A ganhadora foi a IMF de São Paulo Empresta Capital, que receberá uma bolsa (para duas pessoas) para participar do Fórum Interamericano de Microempresa, em 2013. Cinco agentes e crédito também tiveram seus trabalhos premiados. Cada um deles vai receber um computador portátil.

Foram premiados, ainda, os agentes de crédito que indicaram os ganhadores, a agente de crédito que mais indicou microempreendedores nesta edição e as cinco IMFs que mais indicaram empreendimentos válidos.

Para Priscilla Cortezze, superintendente de Assuntos Corporativos e Sustentabilidade do Citi, o PCMM mostra o poder do microcrédito no desenvolvimento da economia regional. “O acesso ao crédito e o seu bom uso é uma força que pode impulsionar o desenvolvimento do pequeno negócio e, com isso, o desenvolvimento econômico das comunidades mais carentes”, afirma.

Criado em 2005, o PCMM chegou a sua 8ª edição com recorde de inscrições: foram 865 microempreendedores indicados, 32 IMFs participantes, de 17 estados brasileiros, e 63 voluntários.

Saiba mais sobre o Prêmio e a história dos ganhadores dessa e das últimas edições.

Citi destaca os melhores empreendedores com negócios alavancados pelo microcrédito

“Logo que abri a primeira loja, através do microcrédito, comecei a ter renda e acreditei que ia dar certo. Hoje tenho sete lojas”. Claudione de Assis Oliveira, proprietário da Rede Karisma, da Bahia. Ele foi premiado na edição de 2011

O Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos chega em 2012 à sua 8ª edição. O objetivo do Prêmio é reconhecer empreendedores que aproveitam o recurso do microcrédito para impulsionar o seu negócio, seja dando o passo inicial ou melhorando seus produtos e serviços, contribuindo assim com o desenvolvimento econômico e social de suas comunidades. A inscrição dos empreendedores é feita por meio das Instituições de Microfinanças que poderão inscrever seus clientes entre os dias 10 de setembro e 10 de outubro pela internet, no site www.pcmm.com.br. O agente de crédito tem papel fundamental, uma vez que é ele quem visita os negócios e convive diretamente com os clientes.

A premiação é dividida em três categorias, com base no faturamento anual do negócio: até R$ 60 mil, mais de R$ 60 mil até R$ 180 mil e mais de R$180 aR$ 360 mil. Este ano serão premiados três microempreendimentos, um por categoria, com prêmios de R$8,5 mil, além da escolha de um microempreendedor do ano dentre todas as categorias, com prêmio de R$12,5mil.

A escolha dos vencedores será baseada em critérios como capacidade de perpetuação, planejamento e superação de conflitos, crescimento, oportunidade de geração de empregos na comunidade em que atuam e desafios de cada microempreendedor.

Uma das novidades deste ano é que serão premiados com um computador portátil cinco agentes de crédito – os quatro que indicaram os empreendedores vencedores e o que inscreveu o maior número de candidaturas válidas.

Outra novidade deste ano é a premiação da Instituição de Microfinanças (IMF) mais inovadora. Serão levadas em conta, na escolha da vencedora, as práticas inovadoras da IMF relacionadas ao processo de concessão de crédito. Para concorrer, a IMF terá que apresentar evidências dos benefícios que a inovação trouxe para sua operação e para o cliente final e também o impacto social da inovação, como contribuição à massificação e expansão do microcrédito e ao desenvolvimento local.

A IMF vencedora será premiada com uma viagem, com todas as despesas pagas, para participação de dois representantes no FOROMIC – Fórum Interamericano de Microempresa, em 2013, promovido pelo BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento.

O Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos 2012 é realizado em parceria com a Fundación Avina e conta com o apoio da ABCRED (Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças), ABSCM (Associação Brasileira das Sociedades de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte), BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), FUMIN (Fundo Multilateral de Investimentos), IFC (International Finance Corporation), SEBRAE Nacional (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), GVcemf (Centro de Estudos em Microfinanças da FGV-EAESP) e Giral ( Giral Viveiro de Projetos).

Ações de sustentabilidade do Citi agora mais acessíveis

Sustentabilidade implica ações contínuas, permanentes. Para incorporá-la de forma efetiva, asseguramos a inserção da questão socioambiental em nossa estratégia de negócios e em nossas operações, produtos e serviços, parcerias e no contato direto com nossos clientes.

Em 2012, completamos 200 anos de história. Somos, sem dúvida, a instituição financeira mais globalizada do planeta, com presença em 160 países. Por meio da diversidade dos negócios e investimentos, temos enorme potencial de geração de valor junto aos stakeholders – clientes, fornecedores, investidores, funcionários, entidades civis, órgãos de governos e comunidades. Agora este trabalho está mais acessível a clientes e usuários, com o lançamento da nova página de sustentabilidade em nosso site.

A página traz, destacados em abas, as áreas prioritárias de nossa atuação em sustentabilidade: Finanças Responsáveis, Negócios Inclusivos, Diversidade, Gestão de Fornecedores e Ecoeficiência.

O nosso investimento social, por meio de recursos da Citi Foundation, está alinhado a essa estratégia e tem como foco as áreas de microfinanças, educação financeira, empreendedorismo verde e formação de jovens. Isto também é visível em nosso Relatório de Sustentabilidade com os resultados de todas as ações nas quais investimos.

Mais do que simplesmente informar a você o que estamos fazendo, a nova página de sustentabilidade no site é uma maneira de agradecer pelo seu apoio em cada uma destas nossas ações. Para que você, assim como nós, tenha ainda mais orgulho de fazer parte do Citi.

E neste espaço aqui no blog, você tem vez. Escreva, sugira, critique e comente o que você pensa sobre sustentabilidade! Voltaremos a falar sobre este assunto aqui 😉

Lançada edição de 2012 do programa Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor

A partir de hoje, médias e pequenas empresas poderão se inscrever na segunda edição do projeto Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor. Neste ano, o foco será Gestão de Fornecedores.

Durante este ciclo,  o projeto terá como foco de trabalho o tema Gestão de Fornecedores. Durante este Ciclo, serão realizadas três oficinas temáticas, com o objetivo de aproximar e promover a troca de experiência entre PMEs e grandes empresas, além de apresentar alguns estudos de casos. Uma equipe de especialistas em sustentabilidade do GVces vai selecionar os casos enviados pelas PMEs e que farão parte da plataforma virtual que contem um banco de dados de projetos inovadores. Os seis melhores casos, juntamente com os três que marcaram o início do projeto, serão detalhados em uma publicação a ser lançada em setembro, durante o Fórum de Inovação e Sustentabilidade na Cadeia de Valor, evento que encerra o Ciclo 2012 do projeto.

Para participar do processo de seleção, as pequenas e médias empresas podem inscrever seus casos no site www.fgv.br/ces/inova. Já as grandes empresas encontram no mesmo site as informações sobre como aderir ao projeto e participar das oficinas que acontecem durante o ciclo de atividades 2012.

Para a superintendente de Assuntos Corporativos e Sutentabilidade do Citi, Priscilla Cortezze, as grandes corporações que operam no Brasil estão sujeitas a regulamentações cada vez mais rigorosas em relação às questões de sustentabilidade. “Isso representa um desafio de adaptação, mas também uma oportunidade para inovar. Além disso, com o crescimento da demanda por produtos brasileiros fora do país, as empresas nacionais têm de cumprir os mais elevados padrões sociais e ambientais e a falta de inovação pode representar perda de competitividade”, afirma Cortezze.

De acordo com o Coordenador de Programa do GVces, Paulo Branco, esse é um projeto que gera resultados positivos para toda a sociedade a longo prazo. “Você altera o ciclo linear de ‘pega-faz-descarta’ para um modo de produção que se mostra sustentável e que considera os limites do planeta, de ‘pede emprestado-usa-devolve’”.


A visão do mundo dos negócios para os jovens

Você pode não ter ouvido falar, mas a Junior Achievement é uma associação educativa fundada há mais de 90 anos com o objetivo de despertar nos jovens a vontade e desejo de empreender. O Citi apoia essa iniciativa.

Presente em mais de 120 países, a ONG proporciona o entendimento da prática em negócios de uma forma mais clara e ampla. No Brasil já são 2,6 milhões de participantes beneficiados pelos programas educativos, que acontecem em escolas públicas e privadas. O projeto facilita o acesso dos jovens ao mercado de trabalho.

Em parceria com o Citi são realizados dois programas: Bancos em Ação, que apresenta conceitos de educação financeira aos estudantes do Ensino Médio. O objetivo é oferecer noções de como administrar um banco, utilizando jogos competitivos como estímulo; e o  Concurso Saber Crescer, realizado anualmente, em sete estados. A proposta quer complementar a aprendizagem dos participantes pelo e-learning. Em junho de 2012 acontece a 2° edição do concurso, com participação prevista de 15 mil alunos.

Funcionários do Citi, trabalham como voluntários nos projetos, ensinando na prática o conteúdo oferecido. São em iniciativas como essa, que contribuem para o desenvolvimento da educação no mundo dos negócios. Acreditamos que estes projetos podem minimizar os impactos socioambientais entre jovens.

Vídeo apresenta vencedores do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos

Ainda  um setor que precisa de reconhecimento. Desta forma, o coordenador-executivo da United Way Brasil, Rogerio Arns Neumann, descreve a importância de prêmios como o Citi Melhores Microempreendimentos. Neste vídeo, é possível conhecer a história dos vencedores das três categorias (até R$ 60 mil; de R$ 60 a R$ 120 mil; de R$120 mil a R$240 mil em faturamento anual).

Patrocinado pela Citi Foundation em 28 países, o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos tem o objetivo de promover o microcrédito como instrumento fundamental para a redução da pobreza ao redor do mundo. Realizado no Brasil desde 2005, o prêmio busca reconhecer as contribuições que microempreendedores individuais têm realizado para a sustentabilidade econômica de suas famílias, bem como das comunidades em que atuam.

Em 2011, participaram 659 microempreendedores, de 237 cidades, indicados por 37 instituições de microcrédito, de 17 Estados brasileiros. Veja mais informações e as histórias de outros microempreendedores no site do Prêmio.

Valorizar o microempreendimento é valorizar a economia brasileira

As microempresas são responsáveis hoje pela geração de 2 milhões de empregos formais. Só este dado já justificaria a importância em apoiar o desenvolvimento do pequeno empresário para a economia brasileira. Além disso, 95% das 100 mil novas empresas que surgem mensalmente no País são incentivadoras da formalidade. O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) pretendem formalizar, até 2014, 200 mil micro empreendimentos individuais de pessoas inscritas no Cadastro Único dos benefícios sociais do Governo Federal.  Nesta quinta-feira (17), o Citi divulgou os vencedores do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos 2011, que tem o objetivo de promover o microcrédito como instrumento fundamental para a redução da pobreza ao redor do mundo.

Com histórias de superação e perseverança, os concorrentes deste ano foram também exemplos da importância do microcrédito no desenvolvimento de pequenos negócios em comunidades de baixa renda. São personagens como a microempreendedora Maria Aparecida Morales, de Mauá, na Região Metropolitana de São Paulo. Em 2001, ela decidiu abrir, com a ajuda de mais dois irmãos, seu próprio negócio: a Fábrica de Pão Kero-Kero. Como na maioria dos casos de pessoas que querem abrir uma empresa, ela não tinha recursos para colocar o plano em prática e tampouco tinha conhecimento sobre gestão de negócios. No início, cada um dos 11 irmãos contribuiu com uma quantia para a compra de máquinas e equipamentos. Para juntar dinheiro para comprar matéria-prima, a família achou uma alternativa fazendo coleta de papelão na região.

Para ganhar mais clientes, a empresa expandiu sua área de atuação para os municípios vizinhos a Mauá. Hoje, a Fábrica de Pão Kero-Kero fatura cerca de R$ 240 mil por ano e é um caso de sucesso entre empresas que utilizam o microcrédito para poder crescer.

Maria Aparecida e a sua Kero-Kero conquistaram a primeira colocação na edição de 2011 do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos, na categoria faturamento anual entre R$ 120 mil e R$ 240 mil. Além dela, outros oito microempresários foram agraciados na cerimônia de premiação, realizada na noite desta quinta-feira (17), na sede do Citibank em São Paulo. (Veja os demais vencedores aqui).

Realizado pela Citi Foundation em 28 países, o Prêmio se divide no Brasil em três categorias, com base no faturamento anual do negócio: até R$ 60 mil, mais de R$ 60 mil até R$ 120 mil e mais de R$ 120 a R$ 240 mil. Em cada uma delas o primeiro colocado recebe R$ 7 mil, o segundo colocado, R$ 5,5 mil, e o terceiro, R$ 4,5 mil.

Ao todo, concorreram ao prêmio 659 microempreendedores de 237 cidades, de 17 estados. A agente de crédito que mais indicou inscritos entre os finalistas foi Marileide Ferreira da Costa, que recebeu uma bolsa de estudos no valor de R$ 1.500 para realizar um curso sobre empreendedorismo.

A edição 2011 do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos foi realizada em parceria com a ONG Grupo de Aplicação Interdisciplinar à Aprendizagem (GAIA) e com o apoio da Associação Brasileira das Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (ABCRED), Associação Brasileira das Sociedades de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte (ABSCM), Centro de Estudos em Microfinanças da FGV (CEMF), Ashoka, Artemisia e Avina. Nesse ano, outro apoiador importante foi o Sebrae, tanto o Nacional quanto os Estaduais.

Prêmio Citi já tem seus finalistas

Na última terça-feira, dia 1º de novembro, um juri composto por pessoas de renome no segmento de microfinanças no Brasil definiu os nove finalistas do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos 2011, sendo três em cada categoria, de acordo com o faturamento anual.

São eles:

Faturamento até R$ 60 mil

Horta do Divino

MM Confecções

Salão da Lurdinha

Faturamento entre R$ 60 mil e R$ 120 mil

Ciclo Calil

Disk Love

Karisma Confecções e Calçados

Faturamento entre R$ 120 mil e R$ 240 mil

Autopeças Itapark

E3 Design

Fábrica de Pão Kero-Kero

Promovido no Brasil desde 2006, o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos foi realizado neste ano, pela primeira vez, de forma totalmente online – das inscrições à avaliação feita pelos voluntários, funcionários do Citi, que fazem a pré-seleção apresentada ao juri final.

As inscrições bateram recorde, mais do que dobrando a participação do ano passado: foram 659 candidatos, indicados por 37 instituições de microfinanças, de 17 Estados brasileiros.

Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de premiação, que será realizada durante a Semana do Empreendedor, no dia 17 de novembro, em São Paulo.

Você sabe o que é um microempreendedor?

São aquelas pessoas que, com dedicação, força de vontade e, principalmente, coragem apostam nos seus sonhos e acabam transformando a vida de suas famílias e até da comunidade que as cerca. São milhares de brasileiros, de todos os cantos do país, que não abrem mão de ter o seu próprio negócio. Há sete anos o Citi, por meio da Citi Foundation, reconhece o talento dessas pessoas com o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos.

Neste ano, pela primeira vez, estamos mostrando ao Brasil as histórias dessa gente vencedora. No site específico sobre o Prêmio, é possível conhecer a história do Alcides, de Novo Gama (GO), que de engraxate e frentista passou a proprietário de uma loja de som automotivo, empregando oito funcionários; da Silvia, de Feira de Santana (BA), que, ao ver o marido impossibilitado de trabalhar, transformou seu hobby em negócio e hoje tem uma fábrica e uma loja de ursos de pelúcia; da Letícia, de Ilhéus (BA), que ajudava a mãe a vender roupas na feira e agora tem três lojas; e de muitos outros brasileiros que transformaram sonho em realidade e foram vencedores do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos nas edições anteriores.

A edição 2011 do Prêmio está com inscrições abertas até 15 de outubro e o número de candidatos aumenta a cada dia. Em 17 de novembro, dia da cerimônia de premiação em 2011, vamos conhecer outras histórias desses grandes vencedores – do Prêmio e da vida.

Fórum Interamericano da Microempresa

De 10 a 12 de outubro, acontece em San Jose, na Costa Rica, a XIV edição do Foromic – Fórum Interamericano da Microempresa, um dos principais eventos sobre microcrédito e microempresas do mundo, que conta com o patrocínio exclusivo da Citi Foundation. O evento promove o debate entre instituições e profissionais que atuam na área de microfinanças, permitindo o intercâmbio de experiências, melhores práticas, metodologias e estratégias para a implementação de políticas voltadas para o desenvolvimento das microempresas.

Durante o Foromic, acontecem também os Prêmios Interamericanos para o Desenvolvimento da Microempresa, que visam reconhecer as organizações da América Latina e Caribe que atuam nesse segmento. Entre os representantes brasileiros, estarão presentes a Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (ABCRED) e a Associação Brasileira das Sociedades de Crédito ao Microempreendedor e à Empresa de Pequeno Porte (ABSCM).

Está no ar o Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos

A Citi Foundation lança hoje a 7ª edição do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos, iniciativa realizada em 28 países, com o objetivo de valorizar e reconhecer a contribuição de pequenos empreendedores para a sustentabilidade das comunidades em que atuam. Desde a primeira edição, em 2005, mais de 6 mil empreendedores participaram, e 600 deles foram premiados.

Neste ano, as inscrições poderão ser feitas em um site dedicado ao Prêmio, a partir de hoje, 1º de setembro, até 15 de outubro. Além de todas as informações sobre o Prêmio, o site traz a história de sucesso dos vencedores de anos anteriores, mostrando como o acesso ao microcrédito mudou o rumo de suas vidas. No lançamento, já temos três casos — da padeira Antonia, da comerciante Sílvia e do fotógrafo Johnanthan – e outras serão publicadas a cada semana.

A escolha dos vencedores é baseada em critérios como capacidade de perpetuar o negócio, planejamento e superação de conflitos, geração de empregos na comunidade e crescimento. A primeira etapa de seleção é feita por funcionários do Citi, que escolhem os 30 projetos finalistas. Depois disso, um juri, composto por profissionais do mercado, escolhem os vencedores.


Sílvia Teixeira Batista Alves Soares, SS Armarinho, Feira de Santana (BA)
2º Lugar – categoria “Faturamento anual até R$ 60 mil”, em 2009

Acompanhe o site do Prêmio Citi Melhores Microempreendimentos e conheça as histórias desses vencedores – não só do Prêmio, como da vida.