ESPAÇO CULTURAL CITI EXPÕE OBRAS DE GUYER SALLES

exp-3Para quem ainda não teve a oportunidade de conhecer, o Espaço Cultural Citi fica na Avenida Paulista e recebe, mensalmente, cerca de 50 mil pessoas. Diversos nomes consagrados já expuseram obras de arte aqui, como César Romero, Takashi Fukushima, Antonio Peticov, Maurício de Souza, Claudio Tozzi, e muitos outros, além daqueles que estão ganhando seu espaço, como Luciana Maas, Maurício Parra, Carola Trimano e Manu Maltez.

O artista que já participou de exposições por todo o país, também ganhou o reconhecimento internacional . Lecionou por muitos anos na Pratt Center, em Nova York e expôs em galerias, museus e associações como a Associated American Artist, também em Nova York, e Knox-Allbright Museum, em Buffalo. Desta vez, o Espaço Cultural Citi recebe a exposição de Guyer Salles sob curadoria do crítico Jacob Klintowitz, entre os dias 3 de junho e 2 de agosto.

No Brasil, além de expor, Guyer Salles foi considerado pioneiro ao importar a primeira imprensa para gravura em metal com controle micrometrado, técnica considerada modelo de qualidade até hoje.

exp-1

Considera a Avenida Paulista a via condutora dos movimentos artísticos e sociais do país e afirma: “o Espaço Cultural Citi é um presente para São Paulo e para os artistas que lá podem expor suas obras. O acesso fácil convida quem passa para conferir as peças, dando enorme visibilidade para nosso trabalho”.

A exposição Guyer Salles – Quando a aparência é a natureza íntima das coisas conta com 28 obras entre acuarelas, gravuras, desenhos e pinturas, nas quais o artista transforma a realidade em arte. Aborda temas corriqueiros que despertam nas pessoas suas próprias histórias em relação à obra, trazendo uma experiência única para cada espectador. “Em seus trabalhos, o segredo – ou talvez um dos segredos – esteja no fato de que as suas imagens despertem em nós remotos ecos. Da mesma maneira que uma palavra nos chega em todos os atributos históricos, isto também acontece com as imagens”, observa Jacob Klintowitz.

Venham conferir!

Manu Maltez traz seus desenhos, sua música e seu texto para a Paulista

manu_maltez2E hoje, quem passar pela Paulista, em São Paulo, já pode ver a nova exposição em cartaz no Espaço Cultural Citi: Manu Maltez, entre os dias 25 de março e 24 de maio, sob a curadoria do crítico de arte Jacob Klintowitz. O público poderá conferir mais de 30 desenhos em técnicas variadas, um painel pintado no próprio local, gravuras sobre metal, além de livros e CDs com a autoria ou participação de Manu Maltez.

Jovem artista de múltiplos talentos, Maltez trabalha no limite onde a música, a imagem e o texto se encontram. Suas obras, entre livros, discos, ilustrações e intervenções, rendem ao artista um estilo único, ao passo que exploram todas as possiblidades que um tema pode render.

“Esta exposição marca um bom momento de minha vida como artista, que é justamente o momento em que as linguagens artísticas, pelas quais tenho transitado nos últimos 15 anos, deixam de brigar entre elas e começam a dialogar”, afirma o artista.

Maltez desenvolve projetos artísticos na cidade de São Paulo há mais de dez anos, com destaque para obras literárias que já lhe renderam diversos reconhecimentos, como o Prêmio Jabuti; o Prêmio FNLIJ; o Prêmio de Literatura Biblioteca Nacional 2012; além da seleção de um de seus livros pelo Catálogo Feira de Bologna 2013.

Para Jacob Klintowitz, curador da mostra, Maltez não impressiona apenas pelo talento literário, mas também pela imersão profunda em diferentes interesses. Segundo Klintowitz, a qualidade dos desenhos do artista é fascinante e, muitas vezes, lembra os esboços e estudos de mestres renascentistas. “O acabamento contemporâneo, com o seu conceito de mostrar o processo do fazer – os andaimes da obra – pode recordar o que antigamente era só um estudo”, afirma.

Em Manu Maltez – O fragmento e o paradoxo, o público poderá conferir toda a diversidade de um artista que, com talento afirmativo, utiliza recursos tecnológicos e facilidades contemporâneas para criar pequenas séries de qualidade.

Espaço Cultural Citi

O Espaço Cultural Citi é a galeria pública visitada mensalmente por cerca de 50 mil pessoas que trafegam pela Avenida Paulista e região. Mantém desde 2005 a sua vocação de mostrar obras de arte no centro vital de São Paulo. Passaram por ali as obras de nomes consagrados, como Fernando Pacheco, Rubens Matuck, Luis Martins, Mary Carmen, Yutaka Toyota, Neto Sansone, Antonio Helio Cabral, Ivo Perelman, Anca Gavris, Fernando Araújo, César Romero, Taísa Nasser, Marcello Grassmann, Rubens Gerchman, Luiz Paulo Baravelli, Gregório Gruber, Romero Britto, Newton Mesquita, Odetto Guersoni, Ivald Granato, Takashi Fukushima, Caciporé Torres, Sérgio Lucena, Antonio Peticov, Maurício de Sousa, Claudio Tozzi, Marcello Nitsche, Odilla Mestriner, Aldemir Martins e Shoko Suzuki, além de jovens que se firmam como Luciana Maas, Maurício Parra, Carola Trimano e Manu Maltez.

Endereço: Av. Paulista, 1111, térreo
Visitação: 2ª a 6ª feira, das 9 às 19h; sábados, domingos e feriados, das 10 às 17h
Entrada franca.
Acesso para pessoas com deficiência pela Alameda Santos, 1146.

Profusão de cores e delicadeza na nova exposição do Espaço Cultural com Isabelle Tuchband

quadro_exposicao_citi_isabelle“A obra de Isabelle Tuchband é marcada pela profusão de cores. Os traços, imperfeitos, acabam dando delicadeza ao trabalho, que acontece na fronteira de gêneros. A figura feminina e as flores estão sempre presentes – seja na cerâmica, na escultura, na pintura, no desenho, na joia, no desenho industrial. Tudo isso forma um estilo que pode ser percebido ao longe”, afirma o curador do Espaço Cultural Citi, Jacob Klintowitz .

As obras de Isabelle estão expostas no Espaço Cultural Citi até 15 de março. O público poderá conferir 30 obras; 27 trabalhos de Isabelle, entre pinturas e cerâmicas, e três do pai dela, Émile Tuchband, que mostram a infância de Isabelle em situações cotidianas.

“É um sonho mostrar minhas obras na Avenida Paulista, o coração de São Paulo. Pessoas de públicos distintos passam pelo local todos os dias. Elas podem aproveitar o horário do almoço para visitar a exposição e voltar ao trabalho felizes. Esta é a função do artista – se doar para o público”, contou Isabelle.

A exposição “Isabelle Tuchband e a narrativa primordial” traz uma artista na fronteira dos gêneros: o culto humanístico, renascentista, a mente clara e a glorificação do corpo, das emoções, dos desejos e da afetividade. É uma explosão de emoções, numa produção incessante. Pesquisar cores e formas, arriscando-se em diversos suportes constitui o método de trabalho de Isabelle.

Klintowitz descreve, ainda, “A atividade de Isabelle Tuchband é impregnada de transbordamento, gestos, cores que beiram o delírio. A emoção se faz regra”.

Aproveite seu momento de passeio, almoço ou trabalho pela Paulista e vá conferir a explosão de Isabelle Tuchband. O Espaço fica no CitiCenter, Av. Paulista, 1111, térreo. A visitação é gratuita de 2ª a 6ª feira, das 9 às 19h; sábados, domingos e feriados, das 10 às 17h.

Acesso para pessoas com deficiência pela Alameda Santos, 1146.

César Romero traz suas cores para o Espaço Cultural Citi

Considerado pela crítica nacional como um dos principais coloristas brasileiros, César Romero (nascido em Feira de Santana, Bahia, em 1950), apresenta Quando a palheta é a alma do artista, no Espaço Cultural Citi, de 29 de outubro a 4 de janeiro. Romero é um artista que consegue traduzir a cultura popular de forma erudita em seus trabalhos. Criador de linguagem própria, autoral, o artista é um pesquisador de formas e símbolos representativos da popularidade.

Na mostra, o artista visual César Romero estará expondo 17 pinturas e 10 esculturas. São trabalhos recentes em médias dimensões e totens emblemáticos que serão apresentados em São Paulo pela primeira vez.

As pinturas têm o título “Faixa Emblemática” de acrílica sem tela; e as esculturas “Totem Emblemático” de madeira maciça, texturizações no corpo da escultura em papel amassado e, na parte distal superior, pintura em acrílica sobre tela colada à madeira.

César Romero explica seu trabalho: “minhas coisas são pensadas, ruminadas à exaustão. Estas pinturas são claramente saídas de um mesmo pintor. Trago novos símbolos, novas cores, novas texturizações, novos ajustes. As cores mereceram um cuidado refinado. Procurei encontrar novas potencialidades cromáticas, possibilidades de combinações, entonações, claro-escuro e transparências. No fundo sou um colorista, vivo a cor”, afirma o artista.

A curadoria da exposição é do crítico de arte Jacob Klintowitz.

Romero já participou de mais de 400 exposições coletivas e 40 individuais no Brasil. No exterior, teve 53 coletivas e 9 individuais. Os trabalhos dele foram integrados em projetos de decoração e cenário para 25 novelas e alguns especiais da Rede Globo de Televisão.

O artista já mostrou seu trabalho em cidades como Barcelona, Berlim, Bilbao, Buenos Aires, Coimbra, Düsseldorf, Lisboa, Los Angeles, Madrid, New York, Paris, Porto, Punta Del Este, San Francisco, Santiago, Washington, Bordeaux, Macau, dentre muitas outras por todos os continentes.

O Espaço Cultural Citi (Av. Paulista, 1111, térreo, fone 11.4009.3000) fica aberto para visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas; aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas. Acesso a pessoas com deficiência física pela Alameda Santos, 1146.
A entrada é gratuita.

E se você não está em São Paulo, em breve poderá ver as peças da exposição em nosso Flickr.

Arte simplesmente acontece

O Espaço Cultural Citi apresenta, entre os dias 27 de agosto a 19 de outubro a exposição “A Arte simplesmente acontece” sob curadoria de Jacob Klintowitz. A mostra traz 39 obras produzidas por jovens artistas e traça um paralelo entre a tradição artística em que o criador parte de premissas históricas – escola artística, formação cultural, formação técnica, história da arte, artistas pioneiros, história da civilização, familiaridade com materiais técnicos, concepção filosófica e a produção desses jovens com deficiência intelectual, cuja origem da obra, o estímulo, o processo de fazer, tem como razão primeira a pura emoção.

Entre os artistas participantes, além dos jovens que fazem parte do Instituto Olga Kos de Inclusão Social, que trabalha com jovens com Síndrome de Down e prejuízo intelectual, destacam-se profissionais que deram oficinas de criatividade a esses jovens como Claudio Tozzi, Isabelle Tuchband, Yutaka Toyota, Silvana Gualdi, Gustavo Rosa, Eduardo Iglesias, Inácio Rodrigues, Marysia Portinari e Verena Matzen.

“Estamos diante da expressão pura. Aqui há uma manifestação direta da emoção e do sentimento. E isto em um nível tão elevado que podemos nos perguntar se é arte ou não é arte. Como se houvesse esta antinomia entre arte e expressão. Fala-se tanto em arte e vida, em incorporação de elementos ‘reais’, da própria vida, como nas colagens, na pop art, na arte ambiental, na conceitual. Mas estes elementos do cotidiano só valem se forem presididos pela racionalidade?” questiona o curador.

Espaço Cultural Citi com nova exposição: sonhos na mão de Adão

Neste final de semana, os paulistanos ou quem estiver passeando pela Av. Paulista, em São Paulo, podem se programar para conhecer a nova exposição do Espaço Cultural Citi. O poeta e editor Floriano Martins apresenta a mostra “Na mão de Adão cabem todos os sonhos”. Com curadoria do crítico de arte Jacob Klintowitz, a exposição reúne 29 fotografias digitais e poderá ser vista até o dia 17 de agosto.

A imagem que inspira o nome (foto) da mostra exibe uma mão estendida, recoberta de areia, num aspecto terroso, quase ancestral, como se viesse de tempos imemoriais.
E é na mão do primeiro ser da espécie humana, animada pelo sopro divino, onde repousam os sonhos de toda uma raça, detentora de uma inegável capacidade de transformar inquietações internas e sonhos em ficções poéticas e objetivas.

“Floriano Martins não é exatamente um fotógrafo, mas um inventor de imagens fotográficas. A máquina, o computador e o laboratório são seus instrumentos, da mesma maneira que o pincel e o pigmento são instrumentos do pintor. Ele constrói minuciosos cenários, planeja todos os detalhes das cenas ao ar livre e, simultaneamente, se deixa conduzir pelo improviso, pelo que a paisagem, os modelos humanos e a sua imaginação sugerem”, comenta o curador Jacob Klintowitz.

Nascido em Fortaleza em 1957, Floriano Martins criou e dirigiu por 10 anos a Agulha Revista de Cultura, das mais lidas da língua portuguesa, bem como o Projeto Editorial Banda Hispânica, no qual estabeleceu um diálogo intenso entre as culturas dos vários países de língua espanhola. É também um profundo historiador do Surrealismo na América Latina, poeta editado em vários países, crítico de cultura, narrador, tradutor e autor de letras de canções com variados parceiros.

O Espaço Cultural Citi é a galeria pública visitada mensalmente por cerca de 50 mil pessoas que trafegam pela Avenida Paulista e região. O espaço mantém desde 2005 sua vocação de mostrar obras de arte no centro vital de São Paulo. Passaram por ali as obras de nomes consagrados, como Marcello Grassmann, Rubens Gerchman, Luiz Paulo Baravelli, Gregório Gruber, Romero Britto, Newton Mesquita, Odetto Guersoni, Ivald Granato, Takashi Fukushima, Caciporé Torres, Sérgio Lucena, Antonio Peticov, Maurício de Sousa, Claudio Tozzi, Marcello Nitsche, Odilla Mestriner, Aldemir Martins e Shoko Suzuki, além de jovens que se firmam como Luciana Maas, Maurício Parra, Carola Trimano e Manu Maltez.

O Espaço Cultural Citi (Av. Paulista, 1111, térreo – (11) 4009-3000) fica aberto para visitação de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h; aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h. Acesso a pessoas com deficiência física pela Alameda Santos, 1146. A entrada é gratuita.

Mostra de Fernando Araujo no Espaço Cultural Citi

Está em cartaz no Espaço Cultural Citi até o dia 15 de junho a exposição A dimensão do afeto de Fernando Araujo com 24 obras reunindo duas facetas do artista plástico: suas criações pictóricas e gráficas.

Segundo o curador da mostra e crítico de arte Jacob Klintowitz, “na pintura temos o gesto, a exuberância cromática, o percurso da emoção. E nela se exercita o trato imediato e intuitivo que a pintura pode proporcionar. Na parte gráfica, Fernando Araujo vivencia o gosto dos materiais, a textura do papel, a resistente dureza da matriz, o entintamento do rolo, as diversas provas de máquina em diferentes cores.”

Vale a pena conferir a exposição! O Espaço Cultural Citi está localizado na Av. Paulista, 1.111, térreo, São Paulo (SP), e está aberto de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h; e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h. Acesso a pessoas com deficiência física pela Alameda Santos, 1146. A entrada é gratuita.

Diversas atrações em um único lugar: Avenida Paulista

A maior cidade do país reserva em um das suas regiões mais altas, um local de todos, a Avenida Paulista. Considerada um dos principais centros financeiros do Brasil, a avenida não é importante apenas por ser um polo de decisões econômicas, mas também é reconhecida por ser centro cultural e de entretenimento para turistas e por quem vive na capital do Estado de São Paulo.

Percorrer seus quase três quilômetros de extensão é intercalar prédios residenciais com empresas, bancos, comércio, restaurantes, hospitais e bares. Além, claro, de cultura com a Casa das Rosas, o MASP (Museu de Arte de São Paulo), Conjunto Nacional e muito mais. Enfim, é um bom passeio para um final de semana ou para qualquer dia da semana.

Contribuindo para o pólo cultural da Avenida Paulista, o Citi mantém desde 2005 uma galeria pública com o objetivo de mostrar obras de arte de artistas renomados. Pelo Espaço Cultural Citi já passaram obras de nomes consagrados como Marcello Grassmann, Rubens Gerchman, Luiz Paulo Baravelli, Gregório Gruber, Romero Britto, Newton Mesquita, Odetto Guersoni, Ivald Granato, Takashi Fukushima, Caciporé Torres, Sérgio Lucena, Antonio Peticov, Maurício de Sousa, Claudio Tozzi, Marcello Nitsche, Odilla Mestriner, Aldemir Martins e Shoko Suzuki, além de jovens que se firmam como Luciana Maas, Maurício Parra, Carola Trimano e Manu Maltez.

O Espaço Cultural Citi está localizado na Avenida Paulista, 1111, térreo e fica aberto para visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas; aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas. Acesso a pessoas com deficiência física pela Alameda Santos, 1146. A entrada é gratuita.

Um novo olhar para a arte no Espaço Cultural Citi

O Espaço Cultural Citi recebe pela primeira vez a exposição da artista plástica e arquiteta Taisa Nasser. O projeto A Aparência e os Vestígios do Enigma percorreu uma temporada em outros países como França, Alemanha e Estados Unidos, e agora chega ao Brasil.

Serão apresentadas 20 telas abstratas com dimensões variadas, em que a artista utiliza diversas técnicas e texturas, tendo como traço marcante os contrastes cromáticos. “Suas obras promovem uma outra visão ao entendimento da arte”, diz o curador Jacob Klintowitz.

Dentre as obras, “O Muro” ganha destaque por ser vencedora do prêmio Toile d`or de l`an 2011, na exposição do Salon Des Indépendants – Grand Palais Paris. A exposição ficará aberta à visitação até o dia 13 de abril. Vale a visita!

O Espaço Cultural Citi é visitado por cerca de 50 mil pessoas por mês. Localizado na Av. Paulista, 1.111, térreo, São Paulo, está aberto de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h; e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 17h. A entrada é gratuita.

A Matéria dos Sonhos exposta por Marcello Grassmann

Será inaugurada hoje no Espaço Cultural Citi a exposição do paulista Marcello Grassmann, um dos artistas mais renomados voltados à gravura e ao desenho no Brasil.

A exposição Matéria dos Sonhos conta com 33 gravuras, além das matrizes em metal gravadas pelo artista, ao longo de 65 anos de trabalho, que serão expostas pela primeira vez ao público.

Suas gravuras expressam mitos e fábulas, produzidos na mesma matéria em que se fabricam os sonhos. As obras são de extraordinária qualidade e aprofundamento, de um artista que comemorou, em 2011, 86 anos.

A exposição ficará aberta à visitação até o dia 3 de fevereiro de 2012. O Espaço Cultural Citi funciona de segunda à sexta-feira, das 9 às 19 horas; e aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas. O endereço é Av. Paulista, 1.111, térreo – São Paulo; o acesso para deficientes é realizado pela Alameda Santos, 1.146, e a entrada é gratuita.